Sobre Marcela

Marcela vestia por cima da pele alguns disfarces para ser aceita. Na turma do colégio (em Jáu-SP) recebeu o título de a mais engraçada, era a palhaça da sala de aula, a mais risonha, e assim a economista levou a vida.

 

Acreditou em um mundo possível, com portas abertas e livre circulação, sem nenhum impedimento. Mas ela se enganou e foi durante a busca pelo primeiro emprego que o mundo dela ruiu e os disfarces não funcionavam mais, a cor da sua pele agora estava amostra.

Já em Rondônia, para enfrentar sua negritude, Marcela comprou uma máquina fotográfica e começou a fotografar homens, mulheres, crianças, jovens e velhos negros e negras na Amazônia em comunidades quilombolas, rituais de terreiros de candomblé, festejos religiosos, penitenciárias.

 

O registro também buscou retratar o negro em seu emprego, na grande maioria exercido em atividades domésticas.

As lentes também captaram a resistência pela preservação da cultura e costumes e a beleza da estética negra.

 

A fotografia foi um resgate da própria identidade de Marcela enquanto mulher negra e foi na Amazônia que ela “enfrentou” a cor de sua pele.

- por Lilian Campelo, publicado no Brasil de Fato em 18/10/2016. Leia aqui

Experiências

Fotógrafa, é formada em Ciências Econômicas (2008) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Especialista em Direitos Humanos e Segurança Pública (2011) pela Fundação Universidade Federal de Rondônia (UNIR), atualmente se dedica ao projeto “(Re)conhecendo a Amazônia Negra: povos, costumes e influências negras na floresta” -  projeto de militância e reflexão das artes visuais, no campo da antropologia visual, sobre a constituição e memória da população negra brasileira na região amazônica.

2015: Fotografia pelo ICMbio/RO - Parque Nacional dos Campos Amazônicos nos estados do Amazonas e Rondônia.

 

Novembro de 2014: Produção e Still no curta "Prova de Recuperação" do Núcleo de Cinema do Sesc Rondônia - vencedor do Mapinguari na categoria "Melhor filme regional" do Fest Cine Amazônia 2015. 

 

De 10 a 12/2014: Participação na exposição fotográfica coletiva “Olhares" (Sesc/RO). Circulação por nove escolas públicas estaduais de Porto Velho/RO. Trabalho expostos "Nossos terreiros e brasilidades".

 

Ano de 2014: Participação no Espetáculo teatral “As Nove Luas” com conceitual fotográfico na atuação - Cia. Fiasco pelo Prêmio Funarte Miram Muniz 2013. 17 apresentações na circulação: (12) Porto Velho/RO, (02) Cacoal/RO, (01) Ariquemes/RO, (01) Ji-Paraná/RO, (01) Candeias do Jamari/RO. Outras apresentações: (01) Festival Palco Giratório em Porto Velho/RO; (01) Festival Nacional de Teatro do Acre. 

 

Ano de 2013: Fotografia e assessoria de imprensa no projeto "Reabilitando pela Arte: cultura de paz pela não violência" realizado no Sistema Prisional masculino de Rondônia.

De 06 a 12/2010: Repórter na Revista semestral Interoceânica - Brasil/Peru, na cidade de Porto Velho/Rondônia.

Foto: Sara Carolina

© 2016 - Produzido por ê-bonFim. Porto Velho. Rondônia  >  Email: reconhecendoamazonianegra@gmail.com 

  • YouTube
  • Instagram
  • Facebook ícone social